Barragem de Miranda

Image

Utilizando o desnivel de 57m existente entre a origem do troço internacional do Douro e a retenção do aproveitemento de Picote, a central de Miranda possui uma potência total de 363MW e produz em média cerca de 1103 GWh/ano, encontrando-se em funcionamento desde Novembro de 1960.Basicamente o aproveitamento compõe-se de barragem, munida na sua parte central de um descarregador de cheias, central subterrânea, edificios de comando e de descarga e substação, localizados na margem direita. Situado muito próximo da cidade de Miranda do Douro, a jusante da central espanhola de Castro, o aproveitamento hidroeléctrico de Miranda é o primeiro do troço internacionaldo rio Douro.
A barragem de Miranda cria uma pequena albufeira,que em território nacional abrangeapenas o concelho de Miranda do Douro,ao longo de uma extensão de 14 km,com uma capacidade total, ao nível máximo normal de exploração, cota (528,05), de 28 milhões de metros cúbicos, dos quais apenas cerca de 6,4 milhões são turbináveis, em  exploração normal.
A barragem, com uma altura máxima de 80 m acima das fundações, é do tipo contrafortes e está equipada, na sua parte central, com quatro vãos descarregadores providos de comportas segmento, os quais no seu conjunto permitem descarregar um máximo de 11000 m3/s.
Na concepção inicial deste aproveitamento existia, na margem direita junto à barragem, uma descarga auxiliar de superfície munida de comporta de funcionamento automático para regulação de nível da albufeira e para passagem de caudais de cheia até 500 m3/s.
A barragem dispõe de duas descargas de fundo constituídas, cada uma, por uma conduta metálica de 2.5 m de diâmetro que atravessa o corpo da barragem e por duas comportas planas em série.
A central de Miranda, em caverna, tem 80m de comprimento, 19,6 m de largura e 42,7 m de altura maxima de escavação e é totalmente revestida em betão.Está equipada com três grupos geradores constituidos cada um por uma torbina Francis de eixo vertical, de 58840 KW, acoplada a um alternador trifásico de 60MVA.
Duas pontes rolantes de 130 t cada uma, apoiam os trabalhos de manutenção do equipamento. Cada um dos quatro grupos(1995) de geradores possui um circuito hidráulico independente abrangendo a tomada de água, localizada imediatamente a
montante do encontro direito da barragem, conduta forçada, tubo de aspiração e galeria de fuga. Na margem direita, junto do coroamento da barragem, localizam-se o edifício de comando, no qual está centralizada toda a manobra do equipamento electro e hidromecânico e o edifício de descarga, que comunica coma central através de um poço de acesso de 9 m de diâmetro útil e cerca de 63 m de altura.
A subestação de transformação está estabelecida numa plataforma à cota (535), adjacente ao edifício de descarga, possuindo três blocos de três transformadores monofásicos, 15/246/Vl (kV), 3x22 MVA, que alimentam um barramento único de 220 kV. Esta subestação está ligada, por uma linha de 220 kV ao parque de linhas de Picote.

Image 

_______________________________________________________________________________________________

in "CENTRO DE PRODUÇÃO DO DOURO" publicado pela CPPE - Companhia Portuguesa de Produção de Electricidade, SA - Direcção de Produção Hidráulica - 1995 - GRUPO EDP.

 
 
 
 
[ + | - ] Enérgica